camara internacional comercio

Maior organização empresarial do mundo adota Blockchain e criptomoeda


Das brasas da Primeira Guerra Mundial, surgiu um novo tipo de organização, liderada por empresários, empenhada em garantir o livre fluxo de mercadorias através das fronteiras devastadas pela guerra mundial. Chamada de Câmara de Comércio Internacional, a missão da organização é simplificar os negócios globais.

Um dos últimos vestígios da Liga das Nações, fundada em 1920 pelo presidente dos Estados Unidos, Woodrow Wilson, para resolver pacificamente as disputas internacionais, o TPI seguiu o exemplo da Liga em 1923 e estabeleceu tribunais internacionais para arbitrar disputas comerciais. No rescaldo da Segunda Guerra Mundial, a missão continuou representando os interesses comerciais globais na conferência de Bretton Woods, que estabeleceu a atual ordem monetária.

“Se os bens conseguirem atravessar as fronteiras sem a necessidade de serem acompanhados por tropas”, diz John Denton, atual secretário geral do TPI, “há uma maior probabilidade de paz e prosperidade”. O grupo de Paris, que representa 45 milhões de empresas em mais de 130 países e as próprias marcas da maior organização de negócios do mundo, está agora fazendo sua mais ousada peça em uma geração.

Com as fronteiras globais endurecendo mais uma vez, desta vez atrás de fronteiras, sindicatos quebrados e guerras comerciais, Denton assinou um acordo com a startup de blockchain de Cingapura Perlin Net Group para explorar como a tecnologia, popularizada pelo bitcoin por sua capacidade de mover valor sem bancos, poderia ajudar o TPI a continuar sua missão de facilitar o livre fluxo de mercadorias.

“Podemos identificar as intervenções do TPI que causaram um grande impacto na economia global no século 20”, diz Denton, que era membro do Instituto Australiano de Assuntos Internacionais antes de ser nomeado secretário geral do ICC no ano passado. “Acreditamos que isso pode ser um aspecto que podemos olhar para trás em 100 anos e dizer que o ICC mudou o blockchain de uma forma que permitiu que o setor privado funcionasse de forma mais eficaz de maneira sustentável e realmente criasse mais oportunidades para as pessoas”.

De acordo com os termos do acordo, parte da qual foi mostrada à Forbes, o ICC e a Perlin criarão um novo grupo, o ICC Blockchain / DLT Alliance, uma referência à tecnologia de contabilidade distribuída semelhante à blockchain que alimenta o bitcoin. As empresas estão explorando como a plataforma blockchain da Perlin, que ainda não foi lançada publicamente, poderia ser usada para esclarecer obscuramente as cadeias de suprimento e simplificar o financiamento do comércio transfronteiriço.

Grandes empresas apoiando Blockchain

Como parte do acordo, o ICC ajudará a Perlin a recrutar membros para sua nascente aliança blockchain, especificamente fazendo apresentações ao enorme pool de membros da organização, que além da maioria das câmaras de comércio nacionais inclui filiação direta de empresas como Amazon, Coca Cola, Fedex, McDonalds e PayPal. Além disso, como parte do acordo, a Perlin se unirá à ICC como parceira oficial de tecnologia, oferecendo acesso gratuito à sua plataforma blockchain durante os estágios iniciais do projeto.

Para esse projeto, chamado “Follow Our Fiber”, a APR registra dados no blockchain em todos os níveis de sua cadeia de suprimentos, desde as árvores que são colhidas até os tratamentos químicos que as transformam na substância de rayon parecida com a seda até a massiva carretéis que depois são vendidos aos produtores de roupas.

“Globalmente, há uma mudança dinâmica nos setores de têxteis e moda, exigindo uma cadeia de suprimentos mais rastreável e transparente”, diz Cherie Tan, vice-presidente de comunicações e sustentabilidade da APR. “Follow Our Fiber nos permitirá alavancar a poderosa funcionalidade blockchain para gerar maior eficiência”.

Outras provas de conceito nas obras que beneficiam da parceria da ICC incluem um projeto com a Mfused, uma processadora de maconha no Estado de Washington que está usando a tecnologia da Perlin para provar a origem de suas plantas, registrando todos os níveis de sua cadeia de suprimentos. eles são plantados quando a cannabis é inalada, em um livro compartilhado, distribuído; um projeto com um processador de atum sem nome na América Latina; e um projeto em desenvolvimento na África para rastrear a origem do cobalto, que tem uma longa história de ser minado por participantes da cadeia de suprimentos antiéticos.

Assumindo que cadeias de suprimentos suficientes sejam unificadas na blockchain da Perlin, as empresas poderiam registrar as representações digitais das mercadorias, chamadas de tokens, na plataforma. Isso permitirá que as contrapartes negociem diretamente, com os conhecimentos de embarque necessários para movimentar o frete e as cartas de crédito, que normalmente são administradas pelos bancos, todos rastreados diretamente no ledger compartilhado.

“Um modelo econômico interessante é que podemos efetivamente lançar uma governança em torno disso”, diz Denton. “Se formos capazes de simbolizar isso, poderíamos nos inserir como intermediários de confiança, e provavelmente haveria uma taxa de administração, mas não muito.” Um relatório de 2018 do ICC, do Banco Mundial e outros descobriu que 90% O financiamento do comércio mundial estava sendo fornecido por 13 bancos, algo que Denton acredita ser uma evidência da necessidade de descentralizar.

O blockchain da Perlin, assim como o Ethereum, está sendo projetado para permitir que os usuários acompanhem e movam todos os tipos de valor e escrevam aplicativos distribuídos (dapps) que não dependem de processadores centralizados. Também como o Ethereum, a Perlin terá uma criptomoeda nativa, chamada perls, que deverá ser cunhada nos próximos três meses, dependendo das considerações regulatórias.

Enquanto o gerenciamento da cadeia de suprimentos é cada vez mais visto como maduro para a ruptura por blockchain, modelos como o Perlin, que dependem de tokens, têm tido dificuldade em ganhar força à medida que os reguladores reprimem o que é exigido desses tokens. Por outro lado, os modelos que usam blockchains permitidos, como o que a IBM está fazendo com vários consórcios específicos do setor e o que o R3 e o Hyperledger estão fazendo de maneira mais geral, estão vendo um interesse mais amplo.

O fundador da Perlin, Dorjee Sun, posiciona a rede ICC nascente como semelhante aos consórcios concorrentes, mas para empresas de pequeno e médio porte. “Este é um esforço maciço de democratização do DLT, porque agora qualquer empresa dos 45 milhões de membros do ICC pode experimentar os benefícios do DLT”, diz Sun. “Não apenas grandes empresas que podem pagar pelos serviços da IBM.”


O Bitcoin vai subir ou vai cair? Qual é a melhor altcoin para comprar agora? Receba vários sinais da Binance e análises todos os dias, por apenas R$ 49,90 mensais!: Conheça e assine

Novidade! Receba notícias fresquinhas diretamente no Telegram: https://t.me/universocriptoblog

Participe do nosso grupo gratuito no Telegram e tire todas as suas dúvidas sobre Criptomoedas: https://t.me/universocripto

Cadastre-se em nossa Newsletter

Receba, diariamente, nosso resumo de notícias

Procurando diversificar os investimentos? Acesse agora o Guia do Investidor e aprenda a investir em ações e muito mais.