Petro 760x400

Petro venezuelano: seria a criptomoeda uma grande farsa?

A agência Reuters pesquisou a fundo a atual situação do Petro, a criptomoeda da Venezula lastreada em barris de petróleo, que seria usada para controlar a hiperinflação e contornar as sanções econômicas sofridas pelo país. Mas a reportagem encontrou diversas questões que levariam a crer que, aparentemente, a criptomoeda é uma farsa.

As declarações de altos funcionários do governo são contraditórias. Maduro diz que as vendas do petro já levantaram US $ 3,3 bilhões e que a moeda está sendo usada para pagar as importações. Mas Hugbel Roa, um ministro envolvido no projeto, disse à Reuters que a tecnologia por trás da moeda ainda está em desenvolvimento e que “ninguém foi capaz de fazer uso do petro … nem há nenhum recurso recebido”.

Durante quatro meses, a Reuters conversou com uma dezena de especialistas em criptomoedas e campos petrolíferos, viajou para o local das reservas de petróleo prometidas e vasculhou os registros de transações digitais da moeda. Eles não descobriram um sinal de que a moeda esteja se desenvolvendo e nenhuma loja ou exchange está aceitando a sua negociação.

Os poucos compradores localizados foram aqueles que postaram sobre suas experiências em fóruns online de criptografia, mas nenhum com a identidade assumida. Um deles se queixou de ser “enganado”. Outro disse à Reuters que havia recebido suas fichas sem problemas; ele culpou as sanções dos EUA contra a Venezuela e a “terrível imprensa” por prejudicar a estréia do petro.

A Superintendência de Criptoativos, a agência do governos responsável pelo projeto, ainda não possui um espaço físico determinado dentro do Ministério das Finanças, segundo constatação da Reuters. O site do órgão também não está funcionando, os telefonesmas feitos pela equipe não foram respondidos e o presidente da entidade, Joselit Ramirez, não respondeu a mensagens em suas contas pessoais na mídia social.

Maduro acrescentou a confusão neste mês ao anunciar que salários, pensões e a taxa de câmbio da moeda dizimada da Venezuela, o bolívar, estão agora atrelados ao petro. Esse movimento provocou perplexidade nas ruas da Venezuela e entre economistas e especialistas em criptomoedas que dizem que a corrente petro-bolivar é impraticável.

“Não há como vincular preços ou taxas de câmbio a um token que não é negociado, precisamente porque não há como saber para que ele realmente é vendido”, disse à Reuters, Alejandro Machado, cientista da computação venezuelano e consultor em criptomoedas que acompanhou de perto o petro.

Plano Original

O Petro foi criado para ajudar o governo da Venezuela a superar a hiperinflação sofrida pelo bolívar. O presidente Maduro  prometeu que a criptomoeda permitiria ao país minar as sanções financeiras dos EUA e levantar moeda forte.

O governo fixou o valor da petro ao preço de um barril de petróleo venezuelano (atualmente em torno de US $ 66) e prometeu apoiá-lo com reservas de petróleo localizadas em uma área de 380 quilômetros quadrados ao redor de Atapirire. O presidente dos EUA, Donald Trump, proibiu em março os norte-americanos de comprar ou usar o petro.

Os analistas estão céticos quanto às alegações de Maduro de que o petro já arrecadou bilhões em moeda forte. Eles dizem que os registros digitais associados à oferta inicial de moedas, ou ICO, não fornecem informações suficientes para determinar quanto, na verdade, foi levantado.

“Isso certamente não se parece com um ICO típico, dado o baixo nível de atividade das transações”, disse Tom Robinson, diretor de dados e co-fundador da Elliptic, uma empresa de dados blockchain baseada em Londres, à Reuters. “Não encontramos nenhuma evidência de que alguém tenha recebido um petro nem que ele tenha sido negociado ativamente em nenhuma bolsa”.

A equipe de jornalistas visitou a área em torno de Atapirire, onde encontrou pouca atividade na indústria de petróleo. As únicas plataformas visíveis eram pequenas e antigas máquinas instaladas anos atrás. Vários foram abandonados e cobertos de ervas daninhas.

Não há compradores confiantes

Os poucos compradores encontrados pela reportagem estavam em um fórum online chamado Bitcointalk. Apesar dos posts do começo de 2018 serem otimistas, vários participantes reclamaram da falta de informações claras e dos atrasos na obtenção de suas moedas. Um reclamou de ser incapaz de transferir ou vender os tokens.

“A partir de agora sim nós fomos enganados, o tempo dirá se foi um bom investimento ou não”, um participante do fórum identificado como cryptoviagra escreveu em 25 de junho.

Outro comprador, o único a responder a perguntas da Reuters, disse por mensagens de mídia social que sua experiência na compra de petros “funcionou muito bem”. Ele culpou a proibição americana e a cobertura negativa da mídia de reduzir as vendas de petro.

A Reuters não pôde confirmar independentemente se algum participante do fórum havia investido no petro.

O governo venezuelano também não forneceu um registro de compras. O white paper do petro, um documento público que descreve as condições da oferta para potenciais compradores, diz que a principal plataforma para a moeda é NEM – a rede de blockchain descentralizada promovida por uma organização sem fins lucrativos sediada em Cingapura.

Em março, uma conta do NEM alegando ser operada pelo governo venezuelano emitiu 82,4 milhões de tokens como parte de uma ICO associada a uma moeda digital descrita como petro. Aqueles pareciam corresponder a um conjunto de moedas “preliminares” descritas no white paper que os compradores mais tarde poderiam trocar por petros assim que a ICO estivesse completa.

Cerca de 2.300 desses tokens foram transferidos para 200 contas anônimas em pequenas quantidades no início de maio, segundo mostram os registros do NEM.

De acordo com a Reuters, esse prazo é consistente com os comentários postados pelos participantes no fórum Bitcointalk que disseram que estavam comprando petros. Essa venda pode ter levantado cerca de US $ 150 mil, caso a compra dos tokens tenh sido feita com base no preço fixado por Maduro levando em cocom base nos preços do petróleo na época, a venda dessas fichas poderia ter levantado cerca de US $ 150 mil, segundo os cálculos da Reuters.

Em abril, outra conta NEM anônima emitiu um conjunto diferente de tokens que descreveu como parte de uma fase separada da petro destinada a grandes investidores.

Essa conta em junho transferiu um total de cerca de 13 milhões de tokens para cerca de uma dúzia de contas anônimas, mostram os registros do NEM. A venda dessas fichas poderia ter levantado cerca de US $ 850 milhões a preços oficiais. Mas não há como verificar se foram vendas, e nenhum grande investidor admitiu assumir uma posição no petro.

O ministro de Educação Superior, Roa, supervisiona a agência estatal Observatório Venezuelano de Blockchain. Em uma breve conversa com a Reuters, ele descreveu as transações NEM como “modelos iniciais” e que o país estaria trabalhando em sua própria tecnologia blockchain. Os compradores teriam feitos “reservas” para comprar petros, mas a moeda em si ainda não foi liberada.

Aceitação em exchanges

O petro não está sendo negociado em nenhuma grande exchange. A Bitfinex, com sede em Hong Kong, uma das maiores bolsas de valores do mundo em março, disse que nunca pretendeu listar a criptomoeda devido à sua “utilidade limitada”. Ele baniu oficialmente o token de sua plataforma após as sanções dos EUA.

Três outras grandes bolsas de valores, Coinbase, de São Francisco, Bittrex, de Seattle, e Kraken, de San Francisco, se recusaram a comentar ou não responderam a perguntas da Reuters sobre por quê não listaram o petro.

Maduro anunciou em 26 de abril que 16 bolsas haviam sido “certificadas” para trocar o petro, acrescentando que “elas começam a operar a partir de hoje”. A maioria é pouco conhecida no mundo da criptografia.

A Reuters não conseguiu localizar sete das bolsas, que não tinham presença na internet. Outras sete não responderam aos pedidos de comentários. O Italcambio, uma bolsa de valores venezuelana que Maduro disse que trocaria a moeda, não administra nem vende petros, disse seu presidente, Carlos Dorado, em uma resposta por e-mail à Reuters.

A única bolsa que discutiu publicamente os planos para listar o petro é a Coinsecure da Índia. Em uma entrevista à Reuters no início deste mês, o CEO Mohit Kalra disse que dentro de dois meses desenvolveria uma tecnologia especial para a Venezulea negociar sua criptomoeda, e que o país pagaria royalties pelo seu uso. Porém, Kalra não atendeu as chamadas em busca de informações adicionais.

Todas as informações pertecem à Reuters.

 


O Bitcoin vai subir ou vai cair? Qual é a melhor altcoin para comprar agora? Receba vários sinais da Binance e análises todos os dias, por apenas R$ 49,90 mensais!: Conheça e assine

Novidade! Receba notícias fresquinhas diretamente no Telegram: https://t.me/universocriptoblog

Participe do nosso grupo gratuito no Telegram e tire todas as suas dúvidas sobre Criptomoedas: https://t.me/universocripto

Cadastre-se em nossa Newsletter

Receba, diariamente, nosso resumo de notícias

Procurando diversificar os investimentos? Acesse agora o Guia do Investidor e aprenda a investir em ações e muito mais.